Arquivo de 21 de fevereiro de 2011

Microworms (Fonte da imagem: Gleason Lab/MIT)

Cientistas da MIT estão desenvolvendo um novo sistema para o monitoramento do corpo humano, verificando informações sobre níveis de glicose e sódio no sangue sem a necessidade de agulhas ou exames complexos.

Para isso, os estudiosos fazem o uso da nanotecnologia, através de partículas microscópicas chamadas de microworms (microvermes, devido ao seu formato tubular longo). Ao serem implantados no corpo, os tubos recheados de elementos químicos reagem com o sangue, trazendo um brilho diferenciado, caso haja algo fora dos parâmetros.

Isso pode ser visto ao olho nu, ao se posicionar uma lâmpada UV no local do implante. Com isso, o sistema se torna extremamente discreto, porém que pode ser visualizado a qualquer momento, algo necessário para quem precisa controlar níveis de glicose no corpo, por exemplo.

A natureza dos tubos criados pela MIT permite que o dispositivo fique posicionado exatamente no mesmo lugar por vários meses, permitindo que exista uma superfície de bom tamanho para reações químicas. Os microworms são pequenos o suficiente para passarem despercebidos pelo corpo humano, portanto, não são absorvidos como outras nanopartículas.

O dispositivo faria com que os diagnósticos ocorressem de forma ainda mais rápida para médicos ou pacientes, diminuindo custos e trazendo mais possibilidades de cura. O sistema também poderia ser usado como temporizador, liberando remédios diretamente na corrente sanguínea, substituindo as pílulas orais.

A pesquisa trouxe bons resultados quando inseridos na pele de ratos, sem trazer problemas de rejeição ou absorção pelo próprio corpo. Todavia, as pesquisas ainda estão em estágio inicial.

“Irmã da Internet”

Publicado: 21 de fevereiro de 2011 em Sem categoria

 

Irmã María Jesús Galán

Irmã María Jesús Galán (Fonte da imagem: Reprodução / Facebook)

A freira María Jesús Galán foi expulsa do monastério de Santo Domingo El Real de Toledo, na Espanha, onde viveu por 35 anos, pelo uso do Facebook em excesso. De acordo com própria página da beata na rede social, a ambição de três quenianas foi o grande motivo para a decisão dos superiores do monastério, acabando com sua carreira ecumênica.

Conhecida como “soror internet”, Galán ficou conhecida na web em maio do ano passado, devido ao seu trabalho na virtualização de documentos da biblioteca da congregação, que contava com mais de 119 livros e mais de 3000 documentos.

Entretanto, os hábitos da freira no Facebook e sua notoriedade trouxeram conflitos com outras freiras do local, culminando na expulsão a “irmã da internet” de sua vocação. O episódio fez com que Galán recebesse apoio em massa dos seus mais de 1700 amigos da rede social, além da criação de uma página especial para mostrar apoio a sua situação.

A católica de 54 anos, entretanto, comenta que “nasceu feliz, vive feliz e irá morrer feliz” apesar de toda a situação. Ela agora mora com a mãe, está procurando emprego e pretende conhecer Londres e Nova Iorque, algo que não seria possível caso ainda estivesse morando no convento.